Hoje faz 90 anos da Aparição de Jesus à Santa Faustina.

No dia 22 de fevereiro de 1931, na cela do convento, Santa Faustina teve uma visão na qual o próprio Jesus se apresentou tal como a Imagem deveria ser pintada.

“À noite, quando me encontrava em minha cela, vi Nosso Senhor vestido de branco. Uma das mãos erguida para a bênção, e a outra Lhe tocava a túnica, sobre o peito. Da túnica entreaberta sobre o peito saíam dois grandes raios, um vermelho e outro pálido. Em silêncio, eu contemplava o Senhor; minha alma estava cheia de temor, mas também de grande alegria. Logo depois, Jesus disse-me: ‘Pinte uma Imagem de acordo com o modelo que estás vendo, com a inserção: Jesus, eu confio em Vós. (…) Prometo que a alma que venerar esta Imagem não perecerá. Também prometo, já aqui na Terra, a vitória sobre os inimigos e, especialmente, na hora da morte. (…) Eu desejo que haja a Festa da Misericórdia. Quero que essa Imagem, que pintarás com o pincel, seja solenemente benta no primeiro domingo depois da Páscoa, e esse domingo deve ser a Festa da Misericórdia. Neste dia, estão abertas as entranhas de Minha Misericórdia. Derramo todo um mar de Graças sobre as almas que se aproximam da fonte de Minha Misericórdia.”

Como também não conseguia encontrar um pintor que tão bem representasse estas aparições, dias mais tarde, chorando, ela rezou a Jesus:

“‘Quem vos pintará tão belo como sois?’ Então ouvi estas palavras: ‘O valor da Imagem não está na beleza da tinta nem na habilidade do pintor, mas em Minha Graça.’” (Diário, 313)

“O Meu olhar, nesta Imagem, é o mesmo que Eu tinha na Cruz.” (Diário, 326)

Celebramos hoje, esta aparição de Jesus à nossa Patrona. Veneramos hoje, o que foi vista por Santa Faustina, a imagem que nesta data, em 1931, se fez presente. Que tenhamos devoção à Misericórdia Divina que exala seu perfume por todos os lados, em especial por nós, que somos pecadores e estamos sedendos desta água que jorra do coração de Jesus. Que tenhamos confiança, pois esta é a nossa única obrigação.

“As Graças de Minha Misericórdia colhem-se com o único vaso, que é a confiança. Quanto mais a alma confiar, tanto mais receberá. Grande consolo dão-Me as almas de ilimitada confiança, porque, em almas assim derramo todos tesouros de Minhas Graças. Alegro-Me por pedirem muito, porque Meu desejo é dar muito, muito mesmo. Fico triste, entretanto, quando as almas pedem pouco, quando estreitam seus corações.” (Diário, 1578)

Conheça e faça com que outras pessoas também conheçam.

“DESEJO QUE O MUNDO TODO CONHEÇA MINHA MISERICÓRDIA!” (Diário, 687)

X